1º de maio: Dia Internacional do Trabalhador

Divulgação

No dia 1º de maio é comemorado, no Brasil, o Dia do Trabalhador. Porém em outros países, o mesmo dia é comemorado em datas diferentes. Na Austrália, por exemplo, o dia de celebração varia de acordo com a região. Já nos Estados Unidos e no Canadá, o Labour Day é comemorado na primeira segunda-feira de setembro. Além destes países, a data é celebrada em Portugal, Rússia, França, Espanha, Argentina, entre outras nações.
Para celebrar este dia, o AG decidiu trazer um pouco da origem e da história desta data importante.

Por que comemoramos o dia do trabalho no dia 1º de maio?

Em 1886, uma onda de manifestação tomou conta dos Estados Unidos, onde os norte-americanos foram às ruas das maiores cidades do país para reivindicar a redução da carga horária máxima de trabalho por dia. O ato foi bem sucedido, ajudando no bem-estar dos trabalhadores que chegavam a completar 100 horas de trabalho semanal, ou seja, seis dias semanais e 17 horas diárias.

Após as manifestações, houve a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias. Essa carga é seguida, atualmente, pela maioria dos países e órgãos de regulamentação das profissões. A luta norte-americana foi reconhecida em 1890 pela Europa, que fixou o primeiro dia do mês de maio como o “Dia do Trabalhador” – ou dia do trabalho. O dia do trabalho é celebrado em países de todos os continentes desde 1925.

O dia do trabalho no Brasil

No Brasil, a valorização do dia 1º de maio teve início na década de 1890. Nesse período, a indústria brasileira vivenciava um processo acentuado de desenvolvimento. Entretanto, foi apenas em 1924 que a data foi reservada como “Dia do Trabalho”.

O crescimento industrial fez com que fossem formados os primeiros movimentos de trabalhadores organizados, principalmente nas maiores cidades da época: São Paulo e Rio de Janeiro. Várias questões ideológicas figuravam nesses movimentos: o anarcossindicalismo — de origem italiana — e o comunismo são exemplos. Em 1917, São Paulo foi protagonista de uma das maiores greves gerais já registradas no país.

A força do movimento trabalhista foi crescendo cada vez mais. Em 1924, o então presidente resolveu transformar o dia 1º de maio em feriado nacional. A valorização da data, entretanto, cresceu principalmente na época do Estado Novo varguista, onde foram estabelecidas as regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), sendo fixados os direitos básicos como salário mínimo e duração da jornada de trabalho.